Hanami é o ato de observar as flores de cerejeira, mais conhecidas como sakura. Normalmente, durante esse período as pessoas de todo Japão se reúnem em um clima alegre e descontraído onde não existem muitas regras de etiqueta relacionadas ao evento.

A única coisa que você nunca deve fazer é pegar as pétalas, flores ou ramos da sakura. E para o povo japonês, existem várias razões para não se fazer isso. Conheça algumas delas.

Existe um consenso

A ocasião do hanami recebe milhares de pessoas durante os dias da florada, e se cada pessoa resolvesse pegar as flores, logo, todo o espetáculo acabaria.

Existe um consenso e tudo o que todos os japoneses esperam durante o hanami é que esse evento dure o maior tempo possível.

Cultura e Religião

A sakura é profundamente enraizada dentro da história e da cultura japonesa. De acordo com tradições budistas japonesas, as pétalas de sakura caindo representam a transitoriedade ou impermanência da vida.

As pétalas da sakura só resistem por uma semana, florescem encantadoramente e caem com o vento. A beleza da queda das flores de cerejeira já foi tema de inúmeros poemas e canções japonesas.

Por vários séculos, as pétalas da sakura simbolizaram os guerreiros, e os ideais samurai diziam que um guerreiro deve viver apaixonadamente e morrer jovem, tal qual as pétalas das flores de cerejeira.

Segundo as tradições culturais japonesas, as flores da sakura representam as almas reencarnadas de guerreiros que caíram em batalha.

História

No período Edo, os japoneses colhiam algumas flores de cerejeira como parte das comemorações do hanami. Porém, esse hábito desapareceu durante o período Meiji (1868 – 1912) e assim tem permanecido.

Reações

No Japão, se você pegar uma flor da sakura, as pessoas se sentirão desconfortáveis, mas provavelmente não irão dizer nada.

Mas, se você colher um ramo, mesmo que seja pequeno, é bem provável que alguém o chame à atenção.

Portanto, vale a pena segurar a tentação de colher estas lindas flores por muitas razões, não é mesmo?

Curta nossa página no Facebook
(Não aperte o botão se você já curtiu)

Comentários

comentários