Imperador Akihito recebe aval do parlamento para renunciar

O Imperador Akihito, do Japão, manifestou sua vontade em abdicar o trono crisântemo, em um anúncio transmitido pela televisão, na metade de 2016.

Seu desejo em renunciar foi tomado pelo peso de sua idade, e as dificuldades em continuar a cumprir suas funções, com 82 anos de idade.

Legislação especial foi aprovada no Japão

Desde entao, o Imperador Akihito aguardava uma decisão do parlamento. No dia 09 de junho de 2017, a câmara alta aprovou a legislação para abdicação do trono crisântemo.

O Heika do Japão é considerado o sucessor monarca hereditário mais velho do mundo, sua linha não foi quebrada em 14 centenários.

Descendente direto do primeiro Imperador Jimmu, foi o primeiro monarca do Japão a se casar com alguém que não fosse da realeza.

Leia também:

O último Imperador a abdicar o trono foi o Heika Kokaku, em 1817, no período Edo, desde então, isso nunca mais aconteceu no Japão.

Próximo na linha de sucessão

O príncipe Naruhito, 56 anos de idade, é o próximo na linha de sucessão desde a posse do trono crisântemo em 1989 por seu pai, Akihito.

Príncipe Naruhito Japão

Graduado em história pela Universidade de Gakushuin em 1982, estudou transportação marinha em Oxford na Inglaterra e terminou seu doutorado em história, no Japão.

Casado com a princesa Owada Masako, juntos tem uma filha, a princesa Aiko.  O trono crisântemo não aceita mulheres como sucessoras, por isso, seu irmão mais velho, príncipe Akishino é o próximo na linha.

O fato do trono crisântemo não aceitar mulheres, causou polêmica quando a princesa Mako anunciou que se casaria com um plebeu esse ano.

Um debate intenso começou no Japão, e o Partido Democrata Liberal (LDP), afirmou considerar fazer alterações em sua legislação, para que as mulheres entrem na linha de sucessão.

A abdicação do trono do Imperador Akihito ainda não tem data definida, mas especula-se que aconteça em 2019.

Comentários

Share via