Mulheres estão questionando dar chocolates obrigatórios no dia dos namorados no Japão

O dia dos namorados no Japão é um pouco diferente do que estamos acostumados.

Culturamente, as mulheres devem dar chocolates no dia 14 de fevereiro não só para seus companheiros, mas para interesses amorosos e todos os homens que sejam importantes ou faça parte de suas vidas.

Existe até tipos específicos para esses casos. Portanto, espera-se que elas entreguem o agrado a colegas de trabalho, da escola, chefes e amigos. Esse é o chamado chocolate da obrigação (giri choco).

Obrigação?

Para algumas mulheres, o gasto excessivo nessa data e a parte da obrigação começou a se tornar um incômodo e até intolerável.

Algumas empresas, chegaram até a banir o giri choco no local de trabalho para evitar reclamações de abuso de poder e assédio.

Segundo pesquisa divulgada pelo periódico The Guardian, 60% das mulheres pretendiam comprar chocolates para elas e não para os colegas do sexo masculino.

56% disseram que apenas dariam chocolates aos familiares e 36% apenas para seus companheiros ou interesses amorosos.

Apenas 37% tinham a intenção de seguir a tradição do chocolate obrigação e pretendiam dar chocolates para os colegas de trabalho.

Leia também

Guia para presentear no dia dos namorados no Japão

Comportamento: quais são os apelidos carinhosos dos casais no Japão?

Fim da Era Heisei já está a todo vapor no Japão

Dar chocolates no dia dos namorados é uma tradição que começou na década de 50. Desde então, um mercado altamente lucrativo perdura todos os anos. Empresas chegam a faturar o previsto para o ano em apenas um dia.

A revolta do giri choco, inclusive, fez os fabricantes de chocolates do Japão repensarem suas estratégias de marketing para 2019.

A exemplo da empresa de chocolate Godiva. Em 2018, eles colocaram um anúncio em jornal destinado para as mulheres, incentivando que elas dessem chocolates apenas se quisessem.

O que vocês pensam sobre essa tradição? Inscreva-se em nossa newsletter ou receba nossos artigos pelo messenger.

Fonte: The Guardian

Comentários

Share via