Tecnologia no Japão ajudará na prevenção de vício

O Japão é um dos maiores desenvolvedores de tecnologia do mundo e esses recursos a nível governamental são abundantes.

Além disso, como a legislação japonesa é muito eficiente e eficaz, ultimamente o governo japonês tem debatido a possibilidade de usar reconhecimento facial para prevenir seus cidadãos do vício em jogos.

O que para alguns é uma diversão e um passatempo, para outros é um sério problema de adicção.

Afinal, cerca de 3,6% da população japonesa é viciada em algum jogo e isso representa aproximadamente 3,2 milhões de pessoas.

Um post especial sobre o vício em pachinko já foi publicado por aqui, para saber mais, leia também: Sorte no jogo, azar na vida: o preocupante vício em jogos de aposta no Japão

Quais são as pretensões do governo japonês?

Dieta japonesa
Dieta japonesa

Apesar de existirem outros jogos legais no Japão, como corridas de cavalo e de barcos, o maior problema com vício está no pachinko.

Para minimizar os danos causados pela adicção, o governo japonês está considerando incluir câmeras com reconhecimento facial nos salões de pachinko e nos locais de apostas em corrida.

Reconhecimento facial da Microsoft
Reconhecimento facial da Microsoft usado nos Estados Unidos

Além disso, de acordo com o jornal Sankei Shimbum, outras medidas que complementarão o Ato Básico Sobre Contramedidas de Vício em Jogos, incluem a retirada de caixas da ATM dos locais de aposta.

Antes da proposta ir para DIETA, ela passará pelo crivo da opinião pública que tem até o dia 27 de março para comentar a respeito da nova medida.

Com base nos comentários dos participantes será elaborada uma nova diretriz política para a instalação do sistema de câmeras nos estabelecimentos.

Leia também

Nishinari: o famoso gueto de Osaka

Como funcionará?

Se a nova diretriz for aprovada, a nova lei deverá entrar em vigor em 2021. Até lá, os salões de aposta terão o tempo necessário para se adaptarem a nova legislação.

De acordo com o periódico Japan Today, as imagens de pessoas viciadas serão registradas em um banco de dados quando solicitado pelo próprio adicto ou por seus familiares.

A partir daí, a pessoa será impedida de jogar e fazer apostas. Além disso, as câmeras também deverão impedir que menores de idade possam frequentar esses locais.

Outras medidas para reduzir o vício incluem novas diretrizes de propaganda. Isto é, tamanho e formato do texto, além de avisos sobre potenciais riscos de adicção.

Além disso, para tratar os dependentes em jogos, 20 cidades japonesas se comprometeram a criar centros de tratamento e apoio aos dependentes até 2020.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via