Brasil planeja implementar koban igual dos japoneses

Segundo o periódico Yomiuri Shimbun, o governo brasileiro com aconselhamento e parceria do JICA (polícia japonesa) irão construir kobans por conta da deterioração da segurança pública no Brasil. Saiba mais.

Koban

Koban no Japão com policial na frente

Koban é um polibox localizado em pontos estratégicos do Japão. Geralmente ficam perto de estações de trens, bancos, de prédios do governo e áreas movimentadas.

Koban dentro de museu em Tokyo

Eles começaram a ser construídos em 1880 com a modernização do período Meiji. Essas estações de polícia tem diferentes estilos no Japão.

Além disso, eles surgiram para reforçar a autoridade da polícia e servem para manter a organização e segurança até os dias de hoje.

Prédio de koban no Japão

Portanto, o koban é uma forma de diminuir o crime nas ruas. No Japão, sempre ficam grupos com três oficiais sob comando de um sargento. Eles fazem três turnos de 8 horas para cobrir 24 horas de policiamento.

No Japão, os moradores das áreas visitam o koban para fazer reclamações. Além de reportar objetos perdidos, renovar licenças e resolver burocracias também.

A agência internacional japonesa tem trabalhado desde 2000 enviando policiais japoneses ao Brasil e treinando policiais brasileiros no Japão.

Os planos foram divulgados no dia 12 de abril de 2019 e uma cerimônia aconteceu em Brasília com a presença do JICA, de embaixadores japoneses e do presidente Jair Bolsonaro.

Além disso, um guia preventivo contra o crime foi elaborado com aconselhamento dos policiais japoneses e suas práticas no Japão para serem aplicadas no Brasil.

Leia também

9 realidades ao ser preso no Japão

Índice de criminalidade no Japão é tão baixo que policiais enfrentam monotonia

Conheça os sete bairros mais perigosos do Japão

Entre eles, está o costume dos policiais japoneses de visitarem as casas e empresas localizadas na região onde ficam instalados os kobans em modelo de policiamento comunitário.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via