Casos de stalkers e vingança online preocupam no Japão

O Japão possui um grave problema de casos de stalkers e vingança online. Apenas no ano de 2017, ano em que a lei anti-stalker entrou em vigor, foram registrados 23.079 casos no país.

Lei anti-stalker

De acordo com a lei de janeiro de 2017, pessoas que fazem contatos indesejados e repetitivos pelas redes sociais ou que rondem o local de trabalho ou a casa de uma pessoa está sujeita a um processo penal.

Porém, após dois anos da lei, os registros continuam acima dos 20 mil casos por ano. Além disso, casos de divulgações de fotos e vídeos íntimos estão aumentando.

Pessoa olhando tela do computador

Considerando o número de prisões realizados em 2017 (926 prisões), ainda é muito cedo para dizer que a lei está gerando algum efeito dentro da sociedade japonesa.

Todavia, de acordo dados fornecidos pela Agência Nacional de Polícia do Japão, as vítimas (majoritariamente mulheres) sentem-se mais seguras em relatar os casos a polícia.

Segundo os dados, a confiança nos agentes de segurança pública aumentou, pois os policiais estão mais preparados hoje em dia para responder a esses tipos de agressões.

Outro relatório do Agência Nacional de Polícia revelou, que além de 83,6% dos agressores pertencerem ao sexo masculino, a maioria são ex-companheiros. Além disso, as agressões são mais comuns em casos de novos relacionamentos.

Quanto as publicações de vídeos e imagens íntimas, o número de denúncias é bem menor em comparação aos casos de stalkers. Em 2017 foram registrados 1.243 casos no país.

Leia também

Hikikomori cresce no Japão e preocupa autoridades

Guardião do penhasco já salvou mais de 600 pessoas do suicídio no Japão

Polícia pega misterioso ladrão de sapatos – entenda os crimes no Japao

Atualmente, o número das chamadas “vinganças pornográficas” ainda se mantém acima da casa de mil casos ao ano, mas apresentam um considerável aumento.

Desde que a lei anti-stalker foi promulgada em janeiro de 2017, os casos de vinganças pornográficas aumentaram em 16,9% ao ano anterior.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via