Pachinko: conheça fatos curiosos desta indústria bilionária

A indústria do pachinko fatura trinta vezes mais em comparação com Las Vegas. Além disso, um a cada onze jogam pelo menos uma vez por semana em uma das 10.600 casas espalhadas pelo Japão de forma legal.

Era usada para atrair crianças

menina jogando pachinko

A máquina de pachinko sofreu evoluções até chegar a aparência atual. Projetada em 1920 era colocada em lojas de doces para atrair crianças.

Salão de Pachinko antigo

Ganhou popularidade entre adultos e logo salões de jogos surgiram. Em 1948, Nagoya, foi inaugurado o primeiro grande salão comercial com máquinas.

Máquina de Pachinko dos anos 70

Não é considerado aposta

A aposta é ilegal no Japão, mas o Pachinko entra em outra classificação. Portanto é legal. O sistema funciona através de premiações.

Bolinhas de prata

No lugar de dinheiro se usa pequenas bolinhas de prata. Custam 4 ienes cada em média e elas serão usadas para fazer pontuações na máquina. Quanto mais bolinhas prateadas conseguir multiplicar, maior será o prêmio ao final.

As bolinhas contabilizadas são trocadas por cards. Dentro do pachinko podem ser trocados por prêmios.

Tokien Pachinko

Vários produtos ficam a disposição, desde alimentos a eletrônicos. No entanto, a maioria escolhe trocar por novos cards especiais que valem dinheiro. A última troca acontece fora do salão em pontos especiais e anexos.

Leia também

Japão está mais perto de ter cassinos e estrangeiros entrarão de graça

Sorte no jogo, azar na vida: o preocupante vício em jogos de apostas no Japão

Kabukicho em Shinjuku: o distrito da luz vermelha no Japão

Japoneses gastam muito com Pachinko

Pessoa jogando

200 bilhões de ienes são gastos todos os anos pelos japoneses. No entanto, em contrapartida é uma das indústrias que mais gera empregos.

Atualmente o número de salões estão em declínio e legislações foram aprovadas para combater o vício dos japoneses. Além disso, os cassinos logo marcarão presença no país para concorrer com a indústria bilionária.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via