Hanko: curiosidades do carimbo japonês e sua tradição

Hanko é o carimbo usado pelos japoneses como assinatura oficial e tem peso legal. No Japão é obrigatório para estrangeiros residentes também e continua sendo fundamental em processos burocráticos e no dia a dia.

Tradição do hanko

Carimbo do período Edo

Ele foi importado da China no período Kamakura (1185-1333) e era usado por lordes feudais e shoguns apenas.

O nome tem origem no período Edo (1603-1868) e foi a época em que ficou popular. Era usado em documentos oficiais pela classe bushi e por comerciantes em transações.

Os selos passaram a ser usados para identificação na era Meiji (1868-1912) com um sistema nacional de registro e certificação. Em 1870 passou a ser obrigatório para assinar documentos importantes por todos os cidadãos.

Pessoal e único

Entalhando Hanko

Serve para atestar a identidade em documentos. Os mais importantes são entalhados a mão e tem características únicas para evitar falsificação, além de receberem a aprovação do governo. Esse pode custar bem caro. Os materiais mais usados atualmente são madeira, prata e titâneo.

A tinta é o shuniku e deve ser de cor vermelha. O hanko pode ter formato redondo ou quadrado.

Carimbo Hanko

Diferentes tipos

Além disso, existem vários tipos para diferentes propósitos. Os mais importantes ficam guardados, mas os japoneses costumam carregar o mitome-in.

Por exemplo, o selo jitsu-in serve para assinar contratos de residência. O ginko-in é o usado no banco para abrir contas ou fazer procedimentos. É um dos mais importantes.

O mitome-in é usado nos correios e em notas simples no dia a dia. O shachihata é usado para fins pessoais simples, como assinar cartas.

O tipo sanmonban é o mais barato feito de plástico e encontrado nas lojas de 100 ienes. Porém, esse tipo não é recomendado para ser usado em contratos importantes por ser mais fácil de fraudar.

Os bancos japoneses já foram muito criticados por ainda usar um carimbo para atestar a identidade em processos importantes e alguns já aceitam usar aplicativos e identificação biométrica.

Estrangeiros podem ter

hanko

É obrigatório para os residentes estrangeiros e ele será fundamental para alugar casa, abrir conta em bancos, assinar contratos, comprar carro, entre outros.

Qualquer residente estrangeiro maior de 15 anos pode ir até a prefeitura registrar seu selo (inkan) e mandar fazer o hanko. Podem usar katakana ou o alfabeto romano.

A regra é ter o nome ou sobrenome no hanko. Se perder o hanko, deve-se ir até a polícia e cancelar o inkan na prefeitura.

Leia também

Hanko: saiba o que é e porque você precisa de um quando for morar no Japão

Hanko Pokémon: que tal carimbar seu nome junto com o Pikachu?

Descubra qual é o seu hana komon (emblema floral) pela data de nascimento

É vendido como souvenir

Hanko

Muitas lojas vendem hankos com kanji de nomes e desenhos para turistas estrangeiros. É uma recordação, mas sem função legal. Para as Olimpíadas Tokyo 2020, hankos temáticos serão atrativos. Os carimbos japoneses já são bastante procurados com esse propósito no Japão.

Já existem até máquinas de selos personalizados no Don Quijote, por exemplo. Dependendo do material, os preços ficam entre 500 ienes a 5.000 ienes. Fica pronto em dez minutos.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via