Kazuhide Sekiyama desenvolveu teia de aranha em laboratório

Kazuhide Sekiyama, 36 anos, levou 15 anos de pesquisa e estudos em biotecnologia para produzir uma teia de aranha artificial mais forte que o aço e tão flexível quanto o nylon, segundo o Asahi Shimbun e diversos outros periódicos.

Kazuhide Sekiyama segurando rolo de fibra de teia de aranha

Teia de aranha artificial

Fio de teia sintética

Sekiyama estudou o DNA da aranha e produziu um gene sintético no laboratório. Depois, conseguiu produzir uma proteína com sequências de aminoácido.

Máquinas de laboratório para fermentação

As proteínas são o resultado de um processo de fermentação por micro-organismos com genes de aranha injetados.

Elas se multiplicam a cada meia hora em ambiente propício, fermentam por meio do açúcar e produzem as proteínas usadas para sintetizar a fibra. Tudo de forma natural, constante e sem utilizar animais.

Elas são refinadas e viram fibras bem finas batizadas de Brewed Protein. O produto chamou a atenção por não ser um derivado de petróleo. Portanto, mais acessível e sustentável.

Fibras e matéria prima em diferentes estágios

Em 2015, a empresa fez um acordo com Goldwin Inc para melhorar sua tecnologia e aumentar a flexibilidade, durabilidade e força das fibras.

Aplicações na indústria

Atualmente ela já foi aplicada na indústria automobilística, médico hospitalar, arquitetura, moda, entre outros.

Jaqueta feita com fibra sintética de teia

A Spiber já arrecadou mais de 30 bilhões de ienes em capital e se filiou a Toyota e outros investidores. Além disso, uma fábrica na Tailândia já está a caminho para aumentar a produção em até seis toneladas até 2021.

Embate

Aranha produzindo fio de teia

Sekiyama teve a ideia em desenvolver a teia ao conversar com amigos na Universidade de Keio quando estudava biotecnologia. A reunião era regada a bebidas alcóolicas, clima descontraído e eles chegaram a um embate.

Ao longo do período evolutivo, os insetos mantém sua forma física e suas características por séculos. O fato deles permanecerem sob a mesma forma por milhares de anos significava que não havia razão para que elas evoluíssem.

Portanto, eram seres refinados. Pensando sob o ponto de vista acadêmico e focando nos insetos, o grupo começou a discutir qual seria o mais forte e estaria na posição do topo da cadeia alimentar.

Eles pensaram nas vespas, pois elas são capazes de voar 1.000 km por dia, além deter um veneno potente, uma mandíbula forte e ainda ser inteligente.

Então, o grupo chegou a conclusão que a aranha era superior, pois ela poderia capturar o inseto em sua teia e comê-lo.

Daí começaram a conversar sobre o poder da teia de aranha e como seria incrível conseguir fazer uma fibra tão forte e que não dependesse de petróleo para ser produzido e como isso seria impactante ao mundo.

Inspiração e estudos

Inspirado, ele foi a uma área montanhosa perto da universidade e capturou espécies de aranhas e passou a estudar todas as publicações acadêmicas sobre o assunto.

Em 2004 abriu a empresa Spiber Inc. com mais dois sócios em 2007. Conseguiram sozinhos desvendar o gene da aranha e chegar a solução de conseguir produzir a proteína através dos micro-organismos.

Atualmente a empresa fica em Tsuruoka em Yamagata, tem mais de 240 patentes, 224 funcionários dos quais 30% são locais. Eles oferecem creche e levam em consideração quanto os funcionários gostariam de ser pagos para remunerá-los mais justamente.

Leia também

Tecnologia do Japão: país quer ser o primeiro a ter carros voadores

Nova tecnologia japonesa promete ajudar os deficientes visuais

O futuro fantástico do Japão: tecnologias revolucionárias

Sekiyama afirmou que foi motivado a oferecer uma matéria-prima que não dependesse de recursos da natureza, não fosse invasivo com o meio ambiente e sustentável.

Ele contou ao NHK que foi um estudante ruim, com notas baixas e não era bom em esportes. Desde cedo se questionava sobre sua função no mundo e qual seria seu propósito de vida.

Depois de assistir a um documentário sobre o genocídio de Rwanda ficou chocado e aprendeu que a busca por recursos pode resultar em conflitos terríveis. Então, depois de refletir quis fazer algo para mudar e tornar o mundo melhor.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via