No Japão, Jinichi Kawakami é conhecido como um dos últimos ninjas vivos. Líder do clã Ban, começou a aprender ninjutsu com apenas seis anos de idade.

Os ninjas do Japão agiam de maneira furtiva, aperfeiçoando artes marciais, como o ninjutsu, com elementos de espionagem, guerrilha e capacidade de agir nas sombras.

Ninja Japão

Conhecidos tradicionalmente como shinobis, a arte e os termos se popularizaram devido ao manga de sucesso mundial Naruto.

Leia também:

Muito especula-se sobre os ninjas nos dias de hoje. Já falamos aqui sobre alguns mitos e verdades sobre eles, relembre: Ninja: mitos e verdades

Jinichi Kawakami

Ninja Jinichi Kawakami
Créditos: KAZUHIRO NOGI/AFP/GettyImages

Com 67 anos de idade, Kawakami nasceu na cidade de Fukui, no Japão. Desde cedo foi introduzido às artes marciais e ao Budismo Shinto. Sua família nasceu do clã Koka e seu mestre era o Masazo Ishida.

“Achava que estava brincando, não sabia que estava aprendendo ninjutsu”. “Pensava que ele estava me ensinando a ser um tipo de ladrão, pois aprendia a ser silencioso e a entrar nas casas das pessoas”.

Apesar de ser graduado em ninjutsu e ser diretor do museu ninja de Iga (um dos clãs mais antigos na arte ninja), Kawakami não gosta de ser chamado de o último ninja vivo, e diz que eles não tem mais espaço no mundo atual.

Suas habilidades incluem fazer explosivos e venenos com ervas. Suas poções podem ser mortais, assim como fazer acreditar que uma pessoa está muito doente.

Na Era Edo, no Japão, os ninjas apesar de serem mestres na arte de espionagem e sabotagem, não o faziam o tempo todo. Eles tinham empregos normais, e alguns eram fazendeiros.

“Acreditamos que alguns tenham se tornado samurais no período Edo”, conta Kawakami. “Eles tinham que se encaixar em alguma casta do período Tokugawa: guerreiros, fazendeiros, artesãos ou mercantes.”

Quando ficou mais velho, compreendeu seus treinamentos e afirma ter sofrido bastante. Passou por testes mentais e físicos extremos até os 18 anos de idade. Aprendeu muito a ser gaman, a ter paciência, resistir e perseverar.

Meditou exaustivamente para melhorar sua concentração, treinou suas habilidades de percepção, aprendeu a escalar e aguentar temperaturas elevadas e baixas, além de saber passar dias sem beber ou comer.

“O treinamento era doloroso. Não era divertido, mas eu não pensava muito sobre. Treinar era parte de minha vida”.

Ainda afirma que o poder do ninja é o elemento surpresa, nunca a força brutal. E uma das melhores armas é a capacidade de se esconder.

Jinichi Kawakami, além de ter suas habilidades ninjas, é engenheiro no Japão e dedica-se a estudar a história ninja pela Universidade Mie.

Antigamente, era comum que a arte ninja fosse passada de pai para filho, como herança. Kawakami não teve filhos e não tem interesse em passar seus conhecimentos para ninguém.

A era dos shoguns acabou há muito tempo e a arte ninja deixou de ser necessária e seus métodos em espionagem, assassinatos e furtos não funcionariam nos dias de hoje.

Quando é perguntado sobre um ninja famoso, cita o nome de Sarutobi Sasuke, famoso do século 18, que se tornou um “Robin Wood”.

 

 

 

 

 

Curta nossa página no Facebook
(Não aperte o botão se você já curtiu)

Comentários

comentários