Os moradores de rua do Japão são conhecidos como homeless, eles ficam nos parques, estradas e no entorno de estações de trem.

Shibuya, Shinjuko e Kamagasaki tem o maior número de moradores de rua, o problema fica mais evidente nas cidades grandes, como Tóquio, Osaka e Yokohama.

Governo negava os homeless

Durante muito tempo, o governo não admitia ter moradores de rua, com o passar dos tempos eles foram ficando evidentes e era difícil escondê-los.

Morador de rua do Japão

Eles começaram a entrar para as estatísticas em 1995, pelo sistema de saúde público, mas o problema começou mesmo depois da Segunda Guerra Mundial.

Em dados de 2016, foram registrados cerca de 5,000 em todo o Japão, porém muitos acreditam que o número seja maior. Os oficiais realizam a contagem apenas durante o dia, mas todos sabem que eles costumam se esconder neste horário.

Dentre algumas medidas adotadas, o governo os ajuda a se recolocarem no mercado de trabalho, como guardas e faxineiros, por exemplo, porém muitos recusam essa ajuda pela vergonha.

Existem abrigos para os homeless, mas eles não servem como residência fixa, são lugares de reabilitação. Os números de homeless tem caído, segundo as estatísticas, em 2010 eram mais de 10,000, provando que as medidas estão no caminho certo.

Leia também:

Fotos de pessoas morando em espaços muito pequenos no Japão impressionam

Vergonha

Muitos deles, recusam ajuda do governo por vergonha. Temem que seus familiares descubram seu fracasso em conseguir um emprego bom.

Alguns escolheram esse tipo de vida, pois não concordam com o governo japonês. Outros tem algum problema mental ou foram desiludidos com grandes traumas, desenvolvendo depressão e perdendo tudo.

homeless

Cyber-homeless

Cyber-homeless

Existem também os cyber-homeless ou Net-café-homeless. Estas pessoas têm empregos, mas não ganham o suficiente para alugar um apartamento.

Esses japoneses moram em cyber-cafés ou manga-cafés, locais que disponibilizam pequenos cubículos equipados com computador conectado a internet, mesa e cadeira, alguns tem pequenos sofás também.

Os cyber-cafés tem toda estrutura para que as pessoas durmam, disponibilizam banheiro com chuveiro e itens de higiene, como toalhas e escovas de dentes. A maioria dos locais oferece pequenos armários e serviços de lavanderia. Eles possuem máquinas de alimentos e bebidas automáticas também.

Inicialmente, as pessoas escolhiam passar a noite nos cyber-cafés por perderem o trem para voltar para casa, como os preços são atrativos, os jovens japoneses que não ganham tão bem começaram a fazê-las de casas temporárias.

homeless

Durante o dia pode ser difícil vê-los nas ruas, muitos se vestem como se fossem trabalhar para não serem identificados.

moradores de rua do Japão

É durante a noite que é possível ver as pessoas dormindo nas ruas em pequenas cabanas improvisadas ou caixas de papelão.

Educados e orgulhosos

Eles não costumam pedir dinheiro, comida ou mendigar na rua, se viram como podem, catando latinhas, trabalhando com reciclagem ou esperando o dia passar. Se preocupam em não incomodar os outros ou ser um problema para a sociedade, por isso se escondem.

homeless

Quando amanhece, eles se preocupam em recolher e guardar seus pertences para não poluir a paisagem, obstruir a passagem ou atrapalhar. Mantém suas cabeças baixas e não costumam ser receptivos a conversas.

População

Nos tempos antigos, os homeless eram ignorados, pois a maioria pensava que estavam na rua por preguiça de trabalhar. Não sabiam que a maioria tinha mais de 40 anos, outrora com empregos bons, mas não conseguiam mais se atualizar e trabalhar.

Com a economia em baixa, o mercado era bem competitivo e cruel com pessoas mais velhas.

morador de rua idoso

Yoshinori Ogawa, um trabalhador de ONG no Japão, afirma que a maioria se afundava na depressão. Com a mudança de pensamento, instituições de caridade começaram a surgir para ajudar os moradores de rua do Japão, como a de Ogawa.

pessoas ajudando homeless

“Dez anos atrás, o governo se recusava a ajudar pessoas com menos de 65 anos”. “Naquela época, era consenso entre as pessoas ignorar os homeless, pois ninguém queria gente preguiçosa”. Esse pensamento foi mudando ao longo dos tempos.

homeless

“Quando a economia do Japão voltou ao seu auge, muitos voltaram a trabalhar”, conta Ogawa.

O parque Ueno era o lugar onde costumavam ficar muitos moradores de rua. Depois do fim da II Guerra, muitos escolheram o parque como moradia, muitos homens com mais de 40 anos que não conseguiam se recolocar no mercado ou jovens que perderam os empregos e sem quase nenhuma experiência.

Homeless parque ueno

O Japão como todo país tem seus problemas sociais, mas os moradores de rua são um pouco diferentes. Gostou do artigo? Não deixe de se inscrever em nossa Newsletter e não perder conteúdo sobre o Japão.

Curta nossa página no Facebook
(Não aperte o botão se você já curtiu)

Comentários

comentários