Danshari: conheça a crescente tendência japonesa do desapego material

O Japão possui filosofias de vida muito preciosas e podem ser adotadas por qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo, uma delas é o Danshari.

Danshari

Composta por três kanjis, Dan (recusa) Sha (eliminação) e Ri (separação), significa utilizar estritamente o necessário e jogar fora todo excesso.

Desapego consciente

Danshari é a consciência de viver com o que precisa, abandonar hábitos compulsivos e desapegar de coisas que não fazem mais sentido na vida. Se você olhar ao redor de sua casa, quantas coisas você não utiliza?

De que adianta ter uma biblioteca e não ler os livros? Qual o sentido de colecionar coisas e não usá-las? Quando uma pessoa faz uma faxina geral, só então, vê a quantidade de lixo que guardava.

Marie Kondo: conheça a guru da organização no Japão e aprenda técnicas infalíveis

Reflexos mentais

Essas coisas ocupam espaço físico, psicológico e energético. A casa de uma pessoa é o seu reflexo mental, quanto mais limpo o ambiente, melhor sua saúde mental.

Viver melhor

Não é questão de dinheiro, mas de viver mais e melhor, utilizar seu tempo e energia da melhor forma possível.

Parar o consumismo

Danshari não é somente jogar fora, é parar de comprar coisas e o ritmo consumista que o mundo impõe.

Fumio Sasaki, é um editor de 36 anos e vive em um confortável apartamento de um cômodo. Em seu armário há apenas 3 camisas, 4 pares de calças, 4 pares de meias e algumas cuecas.

Danshari - Sasaki

Nem sempre ele foi assim. Sasaki era um colecionador de livros, CDs e DVDs. Há alguns anos, decidiu vender ou doar para amigos o que não fazia mais sentido em sua vida.

“Gastando menos tempo fazendo limpeza ou compras, significa que tenho mais tempo para estar com os amigos, sair ou viajar nos meus dias de folga, assim, me tornei uma pessoa muito mais ativa.”

Katsuya Toyoda, uma editora de conteúdo online que vive em um apartamento de 22m² afirma, “Não que eu tivesse mais coisas do que uma pessoa comum, mas isso não significa que valorizei ou apreciei tudo o que tinha”.

Toyoda, continua “Eu me tornei uma pessoa minimalista. Pude deixar as coisas que realmente gosto na superfície da minha vida”.

A ideia de manter poucas posses faz parte da cultura e do pensamento budista, em especial, da escola Zen, de forte presença no Japão.

“No ocidente, ter um espaço completo, significa colocar algo lá”, diz Naoki Numahata, uma escritora freelancer de 41 anos.

Danshari é uma prática importante e previne acidentes graves e fatais, no terremoto de 2011, 30% a 50% das vítimas graves e fatais foram por consequência de objetos em queda.

Em um país que registra mais de 1500 abalos sísmicos por ano, possuir poucos objetos é ter menores preocupações durante um terremoto.

Que tal desapegar das coisas que já não fazem mais sentido e fazer uma bela faxina na casa? Não deixe de comentar e se inscrever em nossa nossa newsletter!

Share via