Casas compartilhadas: uma nova forma de intercâmbio, vivência e convivência no Japão

Muitos habitantes do Japão descobriram uma nova forma de viver e conviver. São as casas compartilhadas, onde, além da economia financeira, ganha-se mais troca social entre outras facilidades.

Muitas vezes, arcar com todas as despesas ou rotina de uma casa pode ser caro, solitário e cansativo. Conheça a nova forma de morar de milhares de pessoas do Japão.

Leia também:

Casas compartilhadas

No Japão, em uma onda bem recente, o “compartilhamento” tornou-se a palavra-chave da atualidade, entre eles o “compartilhamento de carro”. Assim, muitos serviços surgiram para atender às necessidades daqueles que precisam de colaboração, praticidade e simplicidade.

Neste clima, o “compartilhamento” já foi tema de dramas na TV, shows de variedades, jornais, revistas e outros meios de comunicação. Isso tudo levou este assunto a se tornar bastante debatido e popular no Japão.

Além disso, houve uma “mudança social” entre as pessoas que desejam se conectar com outras pessoas, desde o terremoto do Japão, em 2011. Com essa mudança de valores e nível de vida, o compartilhamento de casas foi considerado necessário, devido às suas taxas simplificadas (sem a taxa de chave e outras tantas).

Também, nos últimos anos, surgiram muitas vagas em imóveis de aluguel e o setor imobiliário tem movimentado esforços nesta direção. Neste contexto, ocorreram muitos casos em que casas antigas ou antigos dormitórios comunitários foram transformados em casas compartilhadas. Além de ter ocorrido uma maior ênfase nos projetos de mobiliários de interior e compartilhamento de espaços. Tudo para que as pessoas possam se unir e reunir.

Algumas destas casas podem oferecer às pessoas um mobiliário caro, que poderia não ser tão acessível quando se vive sozinho. Como por exemplo: sala de mídia com tela grande, espaço de fitness, sala com isolamento acústico para tocar instrumentos musicais ou uma cozinha agradável e espaçosa.

Quem são os moradores das casas compartilhadas?

Atualmente, a maioria das casas compartilhadas são habitadas por pessoas de idades variadas. Quase sempre, numa proporção de 40% de estrangeiros e 60% de japoneses. São pessoas do mundo todo. Nas casas compartilhadas existe a oportunidade diária para intercâmbio internacional. Além da possibilidade de conhecer pessoas novas.

A maioria das casas compartilhadas mantém um equilíbrio de 50/50, entre a quantidade de nativos e estrangeiros, e também entre homens e mulheres. E, claro, às vezes, os moradores encontram o amor entre os moradores. Algumas até encontraram seus esposos ou esposas nelas!

Calcula-se que existem entre 20 a 30 mil quartos nas casas compartilhadas de todo o Japão. Muitos destes moradores são pessoas que estudam e trabalham. A maioria dos quais tem entre 20 e 30 anos, e muitos dos quais já moraram em apartamentos de aluguel regulares antes.

É justamente por possuírem experiência vivendo em apartamentos de aluguel regulares que alguns moradores sabem das facilidades neste tipo de habitação. Isso inclui o intercâmbio com outras pessoas, os baixos custos iniciais, o preço de aluguel e outros motivos.

Os tipos de empregos estão muito mais diversificados e as pessoas estão se casando mais tarde. Então, para as pessoas que buscam formas mais simples de viver, pode-se dizer que as casas compartilhadas são o lugar mais adequado, além de divertido e culturalmente enriquecedor.

Nas casas compartilhadas todas as tarefas são divididas e planejadas em rotinas. Cada morador tem sua parte de colaboração na limpeza e manutenção da ordem na casa.

Como encontrar a casa compartilhada ideal

O número de casas compartilhadas no Japão vem aumentando nos últimos anos. Para garantir que as pessoas não tenham problemas para viver em uma casa compartilhada, existem algumas boas dicas.

Primeiro é necessário encontrar uma boa empresa de gestão de casas compartilhadas. As empresas oferecem diferentes tipos casas e quartos. Existem desde as casas mais caras, com instalações mais completas e sofisticadas, como as casas e quartos da Oak House, ou as casas mais simples em instalações mais baratas, como a Borderless House.

As empresas de gerenciamento podem ter casas baseadas em conceitos ou características especiais. Por isso, embora às vezes possa ser trabalhoso, a busca pela casa ideal pode ser divertida. Inicialmente, siga este roteiro:

1. Liste suas prioridades.
2. Verifique as regras da casa.
3. Confira a atmosfera da casa, e que tipo de gente já vive lá.

Ou ainda:

1. A localização é boa? Você gosta do design ou conceito da casa? As taxas de ingresso são boas para você ou o aluguel mensal é acessível? Você pode interagir com pessoas de outros países?

Faça uma lista priorizando o que você está procurando em uma casa. Mesmo que uma casa esteja um pouco mais distante da estação do que você gostaria, às vezes uma casa mais afastada da estação, ou mesmo a cidade, pode ter excelentes instalações. Ou melhor, ter um aluguel mais baixo.

Além disso, diferentes empresas de gestão terão taxas diferentes. As casas compartilhadas são, muitas vezes, mais baratas do que as locações regulares. Mas verifique as taxas totais e mensais. Além disso, busque uma casa que se adapte às suas outras necessidades.

2. Existem casas compartilhadas que são exclusivas para mulheres, outras, apropriadas para animais de estimação ou voltadas para mães solteiras, entre muitos outros conceitos interessantes.

Certifique-se de entender as regras da casa. Por exemplo, em uma casa só para mulheres, muitas vezes, nenhum homem pode permanecer dentro.

E quanto a família? Pode-se levar um amigo do sexo masculino para o chá da tarde? Se você combinar as regras antecipadamente, pode-se evitar mal-entendidos no futuro. Compreender as regras ajudará a viver num estilo de vida mais confortável.

3. Depois de encontrar a casa certa para você, se puder, faça uma visita para conhecer a atmosfera da casa e dos residentes. O estilo de vida da casa compartilhada é uma experiência que você não encontrará em um apartamento regular. Além do mérito de ser um lugar que inclui em sua convivência o crescimento, a aprendizagem e o potencial social.

É uma casa mais tranquila e descontraída? Ou, eles fazem muitos eventos e festas? Existem estrangeiros vivendo lá? Esta etapa pode ajudar a decidir mais facilmente sobre a atmosfera ideal para você.

Você já conhecia o conceito de “casas compartilhadas”? Deixe seu comentário!

Comentários

Share via