Quem são os trabalhadores descartáveis do Japão?

Quando alguém se planeja para conhecer ou passar uma temporada no Japão, geralmente vai com os olhos de um turista e vê somente as belezas do país. Porém, uma parte significativa da população japonesa tem uma vida difícil e cheia de problemas, que parecem ser invisíveis durante a estadia.

Dados alarmantes

Nas últimas três décadas, os valores dos salários caíram bastante. Além disso, o percentual de pessoas na linha da pobreza atingiu impressionantes 16.3%.

Para se ter uma ideia, a OECD (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento econômico) estima atualmente no Japão, aproximadamente 3.5 milhões de crianças, um sexto da população infantil, vive em condição de pobreza.

Porém, a situação entre as mulheres é ainda mais crítica. Um estudo realizado pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem Estar, revelou que a partir dos 80, quase um terço das mulheres se enquadraram nessa estatística.

Regiões mais afetadas

De acordo com a pesquisa feita pelo fotojornalista Shiho Fukada em parceria com a Pulitzer Center, as regiões com o maior número de trabalhadores descartáveis está em Sasashima, Nagoya, Sanya e Kotobuki-cho, Tóquio, Kamagazi em Osaka e Hakata Chikko, na prefeitura de Fukuoka.

Mesmo com serviços públicos para encontrar emprego para pessoas em situação de vulnerabilidade social, a oferta é cada vez menor e o valor dos serviços também caiu.

Hiroshi Nakao, um senhor de 59 anos entrevistado por Fukada trabalhou a vida inteira com construção civil. Atualmente, sobrevive recolhendo qualquer coisa útil do lixo e vendendo o que puder.

“No momento, não há trabalho. Se companhias como a Toyota estão demitindo, porquê haveria trabalho para pessoas como nós?” questiona Nakao.

Leia também

Johatsu: um retrato assombroso e intrigante no Japão

Kamagasaki: a maior favela do Japão

Quem são os homeless, os moradores de rua do Japão

Dificuldades

Nem todo trabalho no Japão é dentro de um escritório. Por isso, um trabalhador regular é considerado velho para o mercado de trabalho por volta dos 54 anos.

Para pessoas que trabalham em obras ou na linha de produção, é muito mais difícil se recolocar, já que os serviços públicos japoneses de empregos dão prioridade a quem tem mais de 60 anos.

Velho demais ou sem experiência

Por isso, muitas pessoas sofrem por serem velhas demais para o mercado de trabalho e novas demais para conseguirem ajuda do governo.

Alias, muitas das vagas que aparecem para os trabalhadores descartáveis são trabalhos estranhos, pesados e mal remunerados.

Desigualdade de gênero

A desigualdade de gênero no Japão ainda é altíssima, de acordo com a OECD. Apenas dos 20 aos 24 anos, as mulheres estão em um índice menor de pobreza em relação aos homens.

Assim como em muitos lugares do mundo, elas recebem menos e são muito mais instáveis profissionalmente. Principalmente as que engravidam ou são mães solteiras.

Após os 55 anos, a pobreza entre as mulheres aumenta drasticamente. Muitas são viúvas, não tem família próxima ou com quem contar. No Japão, mulheres com mais de 80 anos na linha da pobreza chegam a 28.1%.

Com o declínio da taxa de natalidade influenciando diretamente na arrecadação da previdência japonesa, a situação dos idosos e dos trabalhadores descartáveis pode piorar.

Gostou do artigo? Não deixe de se inscrever em nossa Newsletter e não perder conteúdo sobre o Japão.

Fontes: The Guardian e Disposable Workers

Share via