Atsumi Yoshikubo: caso de turista desaparecida ainda alimenta mistérios

O nome de Atsumi Yoshikubo ainda causa diferentes reações nas pessoas. Afinal, seu desaparecimento no dia 22 de outubro de 2014 em Yellowknife, Canadá ainda é envolto de mistérios e perguntas sem respostas.

Atsumi Yoshikubo

Tinha 44 anos, era psiquiatra e trabalhava em clínica familiar no Japão. Viajava sozinha pelo Canadá quando misteriosamente desapareceu.

Fez check-in no Explorer Hotel no dia 17 e dois dias depois foi vista por câmeras de segurança em uma loja de souvenirs.

Atsumi Yoshibuko

Comprou alguns presentes e depois foi vista no dia 22 pela última vez aos arredores do lago Jackfish. Existem diferenças nos relatos encontrados entre periódicos, mas demorou cerca de uma semana até que os funcionários comunicassem o sumiço de sua hóspede.

A notícia de uma turista desaparecida no Canadá logo se espalhou e ganhou cobertura da imprensa japonesa. Todos queriam saber onde estava Atsumi.

Além disso, o sentimento de solidariedade tomava conta das pessoas e com atenção da mídia internacional, a pressão sob as autoridades canadenses de Yellowknife aumentava.

Medo

O clima de espera junto com a falta de informações fizeram a comunidade japonesa que vivia em Yellowknife ficar apreensiva e com medo.

Na época, o jornal Nikkei repercutiu o tema entrevistando vários moradores da região. Cerca de 50 japoneses viviam naquela época e a maioria tinha crianças. Por isso, estavam assustados.

Ricki Koichi Shimada, morador de Yellowknife contou que viu Yoshikubo no dia 21 no centro da cidade. Confidenciou que notícias falsas estavam sendo espalhadas sobre o caso e ficava difícil saber o que era verdade.

Além disso, a mídia local dava informações desencontradas sobre a chegada de Atsumi na cidade e a data do sumiço. Em entrevista ao National Post, o irmão Kenji Yoshibuko ainda tinha esperanças de encontrar Atsumi viva.

Reviravolta

Nove dias depois, a RCMP avisou que ia encerrar a busca pela turista japonesa. A notícia pegou todo mundo de surpresa e causou revolta.

Em conjunto com a polícia japonesa, eles tinham descoberto uma nova informação e explicava tudo. Segundo as autoridades, o Ministro de Relações Exteriores japonês tinha uma prova de que Yoshikubo tinha cometido suicídio.

Ele tinha um suposto bilhete enviado por Yoshikubo a um amigo. Nele, contava seus planos de morrer em Yellowknife e que seu desejo era ser enterrada lá.

A família não acreditou e algumas coisas não pareciam fazer sentido. Se ela quisesse se matar e a intenção não era voltar, porque ela comprou uma passagem de volta? Além disso, comprou presentes logo antes de sumir.

O caso foi encerrado um ano e meio depois. Fragmentos de ossos e alguns pertences de Yoshikubo tinham sido encontrados na floresta de Yellowknife.

Além disso, a RCMP confirmou que os exames de DNA deram positivo para Yoshikubo. A falta de restos mortais impossibilitaram determinar a causa de morte, mas um bilhete foi encontrado.

Nele, a japonesa dizia amar o Norte, a cidade e a aurora. Novamente pediu para ser enterrada lá.

Porém, uma série de inconsistências ainda deixam perguntas sem respostas. A família nunca conseguiu localizar o amigo para saber mais sobre o bilhete.

O documentário da CBC The Missing Tourist contou a história de Yoshibuko de um lado mais humano e entrevistou amigos e colegas da japonesa.

Além disso, Kenji Yoshikubo manifestou dúvidas sob a intenções de sua irmã. Se pretendia se matar, por qual motivo não o fez em Aokigahara, questiona.

O caso apesar de ter sido encerrado ainda causa dúvidas e ainda marca a comunidade de Yellowknife.

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa Newsletter.

Comentários

Share via