Saiba como a suástica budista acabou sendo desvirtuada pelo nazismo

Nos dias atuais, presta-se mais atenção ao significado das palavras, do que de símbolos. Esquecemos que esses símbolos carregam além cultura e dentro de um incosciente coletivo e eventos históricos, alguns acabam sendo totalmente desvirtuados de seus significados originais.

Um deles, é a suástica budista encontrada em templos e por todo o Japão e mundialmente associada ao nazismo. Entenda mais.

Suástica budista

A suástica tradicionalmente é um símbolo (manji) cultural e religioso no Japão. O símbolo é do budismo, por isso, é encontrado em templos e espalhados por todo o país.

Além disso, por muito tempo, a suástica era sagrada e um símbolo positivo. Isso inclusive, gera muito debates pelo mundo.

Em 2016, o Japão por conta da má impressão que o símbolo gera nas pessoas, queria retirará-los dos templos que são pontos turísticos para as Olimpíadas Tokyo 2020.

Isso causou muita polêmica e surgiram argumentos de que o símbolo sagrado não deveria ser retirado por conta de sua história e significados para o Japão ao longo dos séculos.

Leia também

Qual a diferença entre a suástica budista e a nazista

Shitenno: os quatro guardiões do budismo japonês

7 estátuas de Buda para ver no Japão

Como a suástica foi roubada?

A suástica japonesa representa força, compaixão e elementos positivos. Existe uma pequena diferença nos símbolo nazista e no japonês que a olhos desavisados podem fazer parecer ser iguais.

Por exemplo, a Budista é virada para a esquerda, enquanto a nazista é virada para a direita. Quando o partido nazista alemão assumiu o poder em 1933 surgiu a SS, tropa de elite do exército alemão liderado por Heinrich Himmler, um intelectual interessado no ocultismo.

Para obter conhecimento oculto para a criação do super soldado e das tecnologias de guerra de seu país, diversas expedições nazistas foram realizada na Índia.

Siddhārtha Gautama, o famoso Buddha histórico Sakyamuni nasceu na Índia. Ele foi um príncipe sábio do clã Shakya em província onde hoje é o Nepal.

Após os discípulos de Buddha chegarem a China, houve um encontro com o Tao de Lao Tzu (também considerado como um Buddha).

Percebendo as similaridades das experiências, uma grande celebração ocorreu e a síntese dessa união criou o budismo Zen. Um dos pilares fundamentais da sociedade japonesa.

A busca pelo conhecimento dentro dos livros sagrados hindi, em especial o Baghavtta Gita duraram anos.

Portanto, isso demonstra o interesse não apenas na tecnologia, mas na simbologia que Adolf Hitler e os membros do partido nazista já conheciam.

A suástica, presente em culturas de todo o mundo é um símbolo de expansão de luz. Já a bandeira utilizada pelos nazistas não pode ser chamada de suástica. Afinal, ela representa exatamente o oposto da suástica, ou seja, a concentração de luz.

Na Alemanha, seu verdadeiro nome é “sovástica” e não tem qualquer semelhança com os símbolos presentes em imagens de Buddhas e outros seres de luz.

Não deixe de se inscrever em nossa newsletter ou receba os artigos pelo messenger.

Comentários

Share via