Saiba como é um típico dia na vida do imperador japonês

Desde o fim do período Meiji, depois da rendição do imperador japonês Hirohito ao fim da segunda guerra mundial, o título de Kami foi renunciado, desde então, o imperador perdeu poderes políticos e divinos.

Atualmente, o trono Crisântemo é ocupado pelo filho de Hirohito, o imperador Akihito. Ele é símbolo do Estado e da união do povo japonês.

Deveres do Imperador Japonês

Entre seus deveres estão receber figuras estrangeiras influentes, condecorar cidadãos japoneses, convocar o Kokkai (poder legislativo japonês, composta pela câmara baixa, a Casa dos Representantes e a câmara superior, a Casa dos Conselheiros) e ir a encontros oficiais.

Leia também:

Sua rotina começa ao redor das seis e meia da manhã, nesse período o imperador acompanha o noticiário pela televisão. Depois ainda caminha com a imperatriz Michiko ao redor do palácio imperial. Um de seus prazeres é dirigir seu Honda Integra de 1991.

Imperador japonês

O cronograma de sua agenda é cheio de encontros oficiais com embaixadores, primeiros-ministros, chefes de estados e realezas. Ainda faz parte de seus deveres entregar condecorações imperiais e cumprir com as obrigações da religião Shinto.

As visitas importantes fora de Tóquio são relacionadas a plantação de árvores, encontro com atletas nacionais, paradas e eventos para proteção ambiental e preservação marinha.

Quando possui tempo livre, o imperador dedica-se em aprimorar seus conhecimentos em biologia. O imperador Akihito é especialista no peixe goby, publicou 38 artigos científicos para jornais especializados.

A família real japonesa recebe um único pagamento anual para arcar com todas as despesas reais. No entanto, o imperador não possui dinheiro ou propriedades, o palácio imperial e todos seus móveis pertencem ao estado.

Os membros da família imperial não tem direito a um sobrenome, acumular riquezas pessoais ou expressar opinião pública.

A constituição japonesa diz que o imperador é limitado como símbolo de unificação e tradição japonesa, ele é proibido de se engajar ou interferir em assuntos políticos.

No final de 2016, aos 83 anos, o imperador Akihito declarou no canal NHK que sente o peso da idade, sofre consequências dos seus problemas de saúde e manifestou o desejo para que uma emenda a legislação o permitisse renunciar o trono.

Esse ano o parlamento japonês aprovou o pedido do imperador. Com sua renúncia o próximo na linha de sucessão é seu filho mais velho, Naruhito.

Comentários

Share via