O que levam as pessoas a demolirem suas casas a cada 30 anos no Japão?

Muitas casas no Japão tem prazo de validade. Desde o período pós guerra muitas das casas são pré fabricadas para durar apenas trinta anos.

Demolir, reconstruir ou reformar

De material mais barato elas não são resistentes. Por conta disso com o passar do tempo os móveis costumam perder valor no mercado imobiliário. Quando alguém se muda ou morre no local é mais fácil demolir e construir uma casa ou apartamento novo.

A maioria das casas da cidade de Midorigaoka foram construídas pela mesma empresa com os mesmos materiais de casas pré-construídas no final dos anos 90. Hoje, algumas já estão perto da data de validade e apresentam problemas.

Leia também:

Porém uma prática recorrente tem tido um alto número de adesões, o das casas e apartamantos renovados. Dessa forma proprietários e inquilinos podem economizar, pois os contratos de aluguel de casas renovadas são bem menores das consideradas novas.

Shiro Kawashima e sua esposa vivem no subúrbio de Tóquio e estão a procura um modelo de casa pré-fabricado. Sua casa tem setenta anos de idade (uma raridade) e não há possibilidade em reformar, os materiais sairiam muito caro.

Essa situação atual faz com que o setor de construção esteja em perpétuo crescimento com praticamente nenhum aumento real de construção de mais casas. Isso significa que boa parte da população japonesa se esforça para pagar a hipoteca durantes anos e o valor do imóvel é praticamente zero.

Para a macro economia do país o método é positivo. A construção civil emprega muitas pessoas, individualmente não é justo. Porem a população parece não se importar com isso, o maior problema mesmo é o ambiental.

O governo japonês determina que 80% dos resíduos devem ser reciclados. Entretanto reciclar consome muito recurso e energia para aproveitar um material de menor qualidade e os materiais acabam não tendo serventia posterior.

Vocês já tiveram a oportunidade de morar em uma casa reformada e uma de modelo pré fabricado?

Comentários

Share via