O dia mais mortal para os estudantes japoneses

O dia de volta às aulas no Japão, 01 de setembro, é um dos dias mais mortais para os jovens. Afinal, é nesse dia que as taxas de suicídio disparam e a morte de estudantes japoneses aumenta.

01 de setembro – dia mortal

A pressão para os jovens é tão grande, que muitos preferem tirar a própria vida do que retornarem para a sala de aula.

Os motivos podem vir de dentro de suas casas, com pressão dos pais, até dos colegas de escola, com bullying e humilhações.

Além disso, segundo uma pesquisa divulgada pelo governo japonês, 90% dos estudantes entrevistados relataram sofrer assédio de seus colegas dentro da escola.

Em alguns casos, os abusos continuam através de redes sociais, transformando-se em outra vertente, o cyberbullying.

Apenas em 2014, segundo dados da BBC, a maior causa de mortes entre jovens de 10 a 19 anos foi o suicídio.

Além disso, segundo o cabinete oficial, o dia 01 de setembro é o com maior registros de morte de crianças e adolescentes menores de 18 anos.

Leia também

Prevenção ao suicídio: Japão faz maratona para conscientizar

7 motivos para a taxa de suicídio no Japão ser tão alta

3 problemas sociais do Japão considerados alarmantes

Entre 1972 e 2013, 18,048 crianças se mataram no dia de retorno às aulas no Japão. Os suicídos continuam no dia seguinte e anterior a data também.

Medo

Após as férias de verão o clima é de medo entre professores e alunos. Muitos fazem campanhas de conscientização nessa época do ano.

Para algumas crianças, voltar aos estudos é aterrorizador e causa ansiedade. Cerca de 500 estudantes se matam todos os anos, no dia 01 de setembro esse número aumenta.

Celebridades costumam ir ao Twitter nesse dia e postar mensagens positivas e de incentivo a vida, assim como bibliotecas e zoológicos fazem convites para que os estudantes passem o dia nos locais relaxando.

O governo disponibiliza uma linha de telefone 24 horas para quem precisa de aconselhamento. Tanto para as crianças que desejam orientação, quanto pais preocupados sem saber o que fazer.

Fontes: BBC, Governo japonês, Telegraph.

Share via