Ma: uma reflexão japonesa sobre a quarta dimensão

São muitas as pedras angulares que firmam a tradição japonesa em seus mais profundos aspectos da vida cotidiana e espiritual, entre elas está o Ma, uma reflexão japonesa sobre o tempo.

A quarta dimensão é um grande mistério, afinal, a humanidade ainda não foi capaz de decifrar o tempo e só é capaz de senti-lo.

Por mais que nossos sentidos apontem para uma linha reta e linear, a verdadeira natureza do tempo parece fugir a capacidade da mente humana em conceber uma dimensão potencialmente quântica.

Reflexão sobre a natureza do tempo, do espaço e do vazio

O termo Ma ( 間 ) é a junção de dois kanjis: portão/portal ( 門 ) e sol ( 日 ). Uma breve reflexão  revelam a verdadeira natureza filosófica do Ma.

Para compreender melhor o que isso significa, é preciso entender qual é a natureza de cada um dos kanjis.

Quando se pensa em uma porta, normalmente o que vem a mente é a imagem do objeto. No entanto, você saberia responder filosoficamente o que faz da porta, ser uma porta? A resposta é: o espaço vazio.

São essas reflexões mais detalhadas e profundas do sentido e do significado de cada símbolo que tornam as reflexões filosóficas do Japão ilimitadas.

Outro exemplo, a qualidade do Sol é aquecer e iluminar o mundo. A junção dos dois kanjis sugere um tempo-espaço para observar o quê o sol ilumina.

Em outras palavras, o Ma é um espaço vazio, uma pausa, um intervalo de contemplação que dá um sentido mais pleno para a quarta dimensão, o tempo.

Assim como as pausas entre notas e compassos em uma composição musical são tão importantes como os acordes em si, o intervalo entre histórias do próprio cotidiano, por exemplo, são igualmente importantes.

Por isso, refletir sobre o Ma é encontrar a harmonia que existe entre o estático (terceira dimensão) e o dinâmico (tempo).

De forma genérica e simplista, o Ma é o espaço vazio por onde todas as coisas podem existir e uma unidade (terceira e quarta dimensão) dentro do silêncio.

Leia também

No Japão, o imperfeito é perfeito. Descubra o Wabi-Sabi e seja mais feliz! 

Bao Nakashima: conheça o filósofo japonês de apenas 12 anos 

Origens e práticas

A origem do Ma remonta o século VII no Japão e surgiu dos preceitos e filosofias do shintô. Essa nova forma de ver o mundo impactou o país em todas as áreas do conhecimento humano até os dias de hoje.

Atualmente o movimento mais expressivo que tem o Ma como pilar de sustentação é o minimalismo. E nada mais é do que o conceito do Ma aplicado a todos os aspectos da vida cotidiana.

Além do minimalismo, a arquitetura, pintura, músicas tradicionais, teatro, literatura, design de interiores, e muitas outras formas de arte japonesa tem o Ma como fundamento essencial.

Hayao Miyazaki

Um dos artistas mais proeminentes na arte de incluir essa reflexão sobre a quarta dimensão é o famoso diretor do Studio Ghibli, Hayao Miyazaki.

Em todos os filmes do Studio Ghibli você pode perceber esse equilíbrio entre a ação e momentos que os personagens não estão fazendo nada, apenas contemplando as montanhas, na frente de um rio, dormindo, etc.

Essas cenas nos animes não são feitas para correr ou alongar a história, mas uma pausa para os personagens e os espectadores contemplarem o mundo que cerca o universo.

Por fim, existe uma sabedoria búdica nas reflexões do Ma sobre o tempo que dão um sentido mais pleno para a vida e a existência.

Entender que tudo só pode acontecer e ter movimento dentro do silêncio de um espaço vazio é o trabalho de uma vida, mas exercício pode trazer recompensas jamais imaginadas.

Gostou do artigo? Não deixe de se inscrever em nossa newsletter.

Share via