Desvende 4 mitos ao abrir um negócio no Japão

Para quem tem interesse em um dia abrir um negócio no Japão, conheça dos principais mitos envolvidos nesse processo.

1. Você precisará de funcionário japonês

Um dos mitos mais divulgados é que para abrir um negócio, os funcionários deverão ser obrigatoriamente japoneses.

Bem, isso não é verdade. Para começar, não é exigido ter funcionário algum. Porém, ter alguém com proficiência na língua japonesa nível N1 ou N2 pode ser muito útil.

2. Você precisa de um sócio japonês

Se tiver algum parceiro com domine a língua e escrita em japonês pode ser bem útil, mas não é obrigatório ter um sócio ou mesmo o proprietário ser japonês.

3. Precisa ser residente

Esse também é um mito, para abrir um negócio no Japão não precisa ser residente do país.

Leia também

Já pensou em abrir um negócio no Japão

Yoshiko Shonihara fez fortuna com ideia que revolucionou os contratos de trabalho no Japão

Guia de omamori: confira oito tipos de amuletos japoneses

4. É fácil

Apesar do Japão facilitar bastante o processo de abertura de negócios para gerar mais investimentos estrangeiros ao país, fazer isso é bem burocrático e complicado.

Afinal, existe burocracia para tudo no Japão e as papeladas serão em japonês. Além disso, as corporações bancárias são bem complicadas também e você precisará de muita conversa e preencher muita papelada.

Alguns dão suporte em inglês, mas geralmente cobra-se o dobro. A cultura de negócios de lá também é bem peculiar cheio de regras de etiqueta, por isso deve-se estudar ao máximo se quiser fechar negócios.

O consumidor japonês também é muito exigente e inúmeros negócios de sucesso em outros países com produtos certeiros acabam falindo por lá. Por isso, será preciso fazer muita análise de mercado local.

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa newsletter.

Fontes: Go go Nihon.

Share via