Etiqueta japonesa: qual motivo de pedirem tantas desculpas

Você pode ter a impressão que os japoneses pedem muitas desculpas ou será que nós que dizemos pouco? No país, é comum dizer certas palavras que vão além do simples “desculpe” e isso pode ser explicado pela cultura e educação (etiqueta japonesa).

Sumimasen

No Japão, as crianças são educadas desde cedo a agradecer mesmo quando estão fazendo coisas para outras pessoas. Esse costume segue para a vida adulta.

A palavra sumimasen pode ser usada para tudo. Desde pedir desculpas, pois esbarrou em alguém na rua, ao chamar o garçom, ao pedir licença para passar, ao receber um presente, etc.

Por isso, a palavra não tem uma única tradução e até pode significar obrigado. Portanto, são três significados mais comuns: desculpe. obrigada e com licença.

Então, não quer dizer que toda vez que você ouvir sumimasen queira dizer que a pessoa esteja pedindo desculpas, será preciso analisar a situação também.

Leia também

Sumimasen: a “palavra mágica” da língua japonesa

10 etiquetas corporativas que os jovens japoneses estão cansados

Otoshidama: regras e dicas dessa tradição japonesa

Gomenasai

A palavra gomenasai é outra forma de pedir desculpas e pode ser usado de modo mais direto que o sumimasen.

Por exemplo, ao perceber que demorou a responder uma mensagem, pode dizer gomennasai ou a forma abreviada gomen. Porém, ela deve ser usada mais informalmente, se precisar pedir desculpas a alguém hierarquicamente superior é só acrescentar o “deshita” ao final.

Essas duas palavras são as mais conhecidas e usadas, mas existem outras que podem ser usadas em situações variadas. Por exemplo, sumimasen e gomenasai são considerados muito informais para usar em reunião de negócios ou para dirigir-se ao público.

Culturamente pedir desculpas e agradecer faz parte do dia a dia no Japão, por isso temos essa impressão que fala-se demais. Porém, quem vai morar no país logo se acostuma com isso e até achar estranho não pedirmos tantas desculpas quanto os japoneses. Qual a sua opinião?

Gostou do artigo? Inscreva-se em nossa newsletter.

Comentários

Share via