Idosos na prisão: uma questão moderna e paradoxal da sociedade

A maioria das pessoas tende a imaginar a terceira idade, tal qual as propagandas de previdência privada vendem para seu público, uma rotina cheia de vida, paz e felicidade.

Porém entre a imaginação e a realidade existe um abismo colossal. O Japão, por exemplo, enfrenta um paradoxo contemporâneo, que por vezes, ultrapassam a razão. Muitos idosos estão preferindo passar a velhice atrás das grades do que tentar sobreviver em liberdade.

Déficit previdenciário japonês

No Japão, o envelhecimento da população é um grande problema que gera outros, igualmente complicados de serem resolvidos pelo governo japonês.

A falta de mão de obra qualificada no mercado de trabalho é um dos grandes desafios para uma sociedade que envelhece em um ritmo acelerado.

Sendo o Japão o mais hegemônico do mundo, contratar estrangeiros para essas funções é complicado por alguns motivos.

O mais alarmante é a relutância da população japonesa em abrir suas portas para imigrantes permanentes.

As questões culturais e tradicionais, além dos costumes do país são extremamente sensíveis para os japoneses. O temor é que com a abertura do Japão, essas características se percam de vez.

Por mais habilidoso que um estrangeiro seja para um cargo técnico, a questão do idioma também sempre é um empecilho.

Isso dificulta e muito a reposição de mão de obra no mercado e consequentemente a arrecadação da previdência social.

Com menos profissionais no país, o número de trabalhadores ativos em regime de colaboração em relação a população aposentada está declinando drasticamente.

E com menos arrecadação, já que muitos trabalhos são temporários, a inseguridade social dos idosos do Japão é visível a olho nu.

Recorrendo a criminalidade

Considerando o cenário do país (estima-se que até 2060, 40% da população japonesa será composta por idosos), muitos estão apelando para a criminalidade.

Como muitos não têm condições de pagarem por cuidadores ou uma casa de repouso (ambos com grande déficit no país), ir para a cadeia se tornou uma solução prática para seus problemas.

Além disso, muitas pessoas da terceira idade do Japão não tem familiares ou não podem contar com a ajuda deles. Já que o ritmo de trabalho é muito exigente.

A situação chegou a um ponto tão crítico que forçou o governo japonês a repassar mais 58 milhões de ienes para cobrir gastos geriátricos em 70 presídios do país em 2017.

E como o sistema judiciário japonês é um dos poucos do mundo onde não há presunção de inocência, a condenação por crimes banais é certa e severa.

Um furto de qualquer produto de 100 ienes, por exemplo, pode render dois anos de reclusão no sistema carcerário japonês.

Leia também

Cidade de Yamato cria programa para ajudar idosos solitários no Japão 

Japão irá aceitar cuidadores de idosos de outros países 

Idosas estao cometendo crimes para ir para a prisão, saiba os motivos

O paradoxo

Idosos na prisão

Embora o Japão seja considerado o nono país mais seguro do mundo, o aumento da população carcerária de terceira idade no país cresceu drasticamente nos últimos 10 anos.

Se quiser, confira alguns dados extraídos em inglês do Departamento de Justiça Japonês <Dados criminalidade Japão>

Considerando o ritmo acelerado do encarceramento de idosos, é possível que a situação comece e se tornar insustentável.

Isso porque existem muitos custos para manter uma pessoa presa. Isso começa desde o departamento de polícia, passa pelo judiciário, para finalmente chegar em uma prisão.

Somente nesse translado burocrático existem muitos gastos. Uma vez na prisão, existem custos de pessoal, manutenção, alimentação, remédios e outros do dia a dia.

Enquanto o problema da previdência só cresce, a questão carcerária da terceira idade também e aumenta as despesas do estado.

Se de um lado falta dinheiro para investir na previdência social, por outro lado há para alocar no sistema penal. Afinal, ele deve continuar a ser um exemplo para os outros cidadãos.

Essa questão envolvendo os idosos do Japão deixou de ser um dilema para se tornar um paradoxo ético, social e econômico.

Afinal, o que fazer com os idosos do país que não conseguem pagar por uma casa de repouso, por um cuidador, ou que não podem contar com a presença de um familiar?

Bombas-relógio

O problema previdenciário japonês já é considerado como uma bomba relógio há alguns anos. Se não houverem reformas profundas na política nacional, em vez de explodir, ela implodirá a sociedade japonesa.

Enquanto isso, o aumento de crimes cometidos por pessoas da terceira idade e que atualmente correspondem a 21,5% da população carcerária do país está se tornando uma nova bomba relógio.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via