Cigarro no Japão: algumas empresas não contratarão fumantes

Segundo o Yomiuri Shimbun, cerca de vinte empresas japonesas estão tomando iniciativas e coibindo contratação de funcionários que fumam cigarro no Japão.

Cigarro no Japão

Cigarros amontoados

Aliás, já fizemos artigos sobre esse tema e como o Japão era um país paraíso dos fumantes. Por lá, apesar de existir locais específicos para fumantes, ser proibido fumar andando, entre outras medidas, ainda era permitido fumar dentro de restaurantes, por exemplo.

Taxa de fumantes

Fumante no Japão

A taxa de japoneses que fumam é de 28,2% (homens) e 9% (mulheres). Em 1985, essa taxa já chegou a 85% entre homens no país. Muitos usam o cigarro como escape do estresse e as paradas no expediente são frequentes.

Essa cultura já está mudando, pois, para as Olimpíadas Tokyo 2020, o fumo será vetado no país. Uma lei antifumo foi aprovada pela Dieta japonesa.

Saúde e produtividade

Na busca em promover a saúde e a produtividade, empresas visam vetar contratação de funcionários fumantes.

Ainda segundo o periódico japonês, algumas ainda tem questionamentos quanto a esse método de exclusão. Já a empresa Sompo Japan Nipponoka Himawari Life Insurance Inc. é uma das companhias que pretende recusar a contratação de funcionários novos que fumam até 2020.

Além disso, um contrato deverá ser assinado com o comprometimento em não fumar durante as horas de trabalho. A Hoshino Resorts Inc. requere que seus candidatos assinem um termo também coibindo o fumo durante o expediente.

A Rohto Pharmaceutical Co. tem um plano também semelhante para 2020 e eliminar o fumo totalmente de seus escritórios.

Os funcionários existentes que aceitarem os termos ganham tokens que podem ser trocados dentro dos estabelecimentos comerciais dentro da empresa.

Leia também

Japão veta fumo para as Olimpíadas de Tokyo 2020

Empresas do Japão oferecem dias de folga para quem evitar fumar no trabalho

A faculdade de Nagasaki também não contratará mais fumantes para proteger seus estudantes e funcionários.

Segundo o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, essas práticas não são consideradas discriminatórias. Apesar disso, empresas estão consultando advogados trabalhistas antes de seguir com os planos e segundo especialistas esse veto é permitido.

Gostou do artigo? Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via