Santuários e templos sofrem com vandalismo no Japão

Segundo o Japan Today, santuários e templos enfrentam ondas de vandalismo no Japão. As placas ema da sorte apareceram rabiscadas ou quebradas.

Vandalismo no Japão

Em Kyoto, no templo Kyomizudera teve casos. Em Nara no santuário Kasuga, em Osaka no Hokoku e em Kagawa no Konpira, entre outros.

As placas receberam mensagens de protesto político em relação a Hong Kong. Algumas apareceram quebradas.

Placa Ema

As placas ema são uma forma de conseguir ter desejos realizados no Japão. As pessoas compram, escrevem mensagens e elas ficam penduradas ao lado dos locais sagrados.

Geralmente os desejos envolvem coisas simples, desde entrar na faculdade, conseguir um emprego, saúde, entre outros.

Placa rabiscada

O vandalismo no Japão chamou atenção dos jornais, pois algumas placas com esses desejos receberam palavras de protestos por cima dos desejos das pessoas.

Protesto

Nos últimos seis meses, a região autônoma de Hong Kong vem sendo abalada por uma série de protestos anti governamentais.

Tudo começou por causa de um projeto de lei que previa a extradição de cidadãos de Hong Kong para a China continental. A ideia foi brutalmente rechaçada pela população que saiu as ruas contra o governo da pequena ilha.

Apesar da simpatia da comunidade internacional aos manifestantes e o repúdio a repressão das autoridades chinesas, a questão da One-China Policy é muito mais complexa e sensível do que aparenta.

Leia também

Moradores de Tottori reclamam de desenhos nas dunas de areia

Guia de omamori: confira 8 tipos de amuletos japoneses

Bambus ícones de kyoto sofrem depredação de turistas no Japão

Ela é um acordo firmado entre as principais potências mundiais em 1992 onde a comunidade internacional se comprometeu a devolver as regiões de Macau, Taiwan e Hong Kong em 2050.

Até lá, essas regiões teriam certas liberdades políticas, mas ainda assim submetidas ao governo da China continental, isto é, Beijing.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via