Hikikomori cresce no Japão e preocupa autoridades do país

Hikikomori é um fenômeno social recente na história do Japão. As autoridades do país definiram que pessoas em reclusão social a mais de seis meses são portadores da doença.

Aliás, já falamos sobre o assunto no artigo Hikikomori: meio milhão de pessoas nunca saem de casa no Japão, saiba os motivos

Até a data de publicação do artigo no Coisas do Japão em 2017, o governo japonês tinha detectado cerca de meio milhão de japoneses que viviam em situação de completa de reclusão social.

Mas um novo estudo revelou que o número supera a casa do milhão. Além disso, diferente dos dados anteriores, a faixa etária mais afetada pelo hikikomori não são os jovens.

Segundo o relatório divulgado pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem Estar do Japão com base nos dados do ano fiscal de 2015, 613 mil japoneses entre 40 e 64 anos são a maioria.

Já os japoneses entre 15 e 39 anos com sintomas da síndrome perfazem 541 mil pessoas. Além disso, 76,6% dos reclusos pertencem ao sexo masculino.

Um conflito silencioso

Hikikomori

Por regra, a cultura japonesa dita que o bem estar coletivo deve estar acima do individual. Por mais bela que essa cultura pareça, há um preço alto a ser pago pelos cidadãos japoneses.

Afinal, os efeitos colaterais dessa cultura incluem depressão, ansiedade, síndrome do pânico e até mesmo suicídio.

Além disso, a repressão de emoções e sentimentos em prol do bem estar coletivo gera uma série de conflitos internos. No demais, raramente são externados para a família ou para a sociedade.

Hikikomori

Como resultado, muitas pessoas sentem-se solitárias e impotentes perante as expectativas criadas pela família e pela sociedade sobre o futuro e a importância do indivíduo para a manutenção e sustentação do país.

Normalmente pessoas que sofrem da síndrome hikikomori são pessoas com baixa autoestima e que se sentem deslocadas no seu próprio meio. Seja pela forma de pensar, falar ou agir.

Falta de perspectiva

Hikikomori

Dez anos após o fim da segunda guerra mundial, o Japão passou pelo período conhecido como milagre econômico japonês.

Entre 1955 até a metade da década de 70, o Japão crescia de maneira vertiginosa. Além disso, havia muito oferta no mercado de trabalho com bons salários para profissionais de todos os ramos.

Mas não existe crescimento infinito e a resseção era inevitável. Portanto, a partir da década de 80 o crescimento japonês desacelerou. Já na década de 90 houve uma drástica queda na economia do país.

Esse período conhecido como década perdida (há quem argumente que foram duas décadas perdidas e quem acredite que o Japão nunca se recuperou completamente) colaborou significativamente para o fenômeno de hoje.

Muitos jovens universitários do Japão da década de 80 e 90 não conseguiram um lugar no mercado de trabalho, além de não terem encontrado estabilidade financeira.

O sentimento de vergonha e de impotência abalou muitos japoneses. Hoje, não conseguem ter uma vida social ativa e optaram pela reclusão social.

Esse é um grande problema enfrentado por jovens a partir dos 20 anos e enfrentam muita dificuldade em encontrar um emprego.

Falta de objetivos

Muitos japoneses passam a viver em reclusão a vida social quando param de trabalhar e se tornam aposentados.

A vida no Japão do século XXI não é exatamente a mais adequada para pessoas idosas ou pessoas fora do mercado de trabalho.

Além disso, a falta de objetivos e até mesmo de um círculo social entre pessoas a partir dos 64 anos é um grande obstáculo para estimular passeios e atividades sociais.

Leia também

Jido yogo shisetsu: a triste realidade da adoção no Japão 

Quem são os homeless, os moradores de rua do Japão 

Quem são os trabalhadores descartáveis do Japão 

Fatos e dados assombrosos

Hikikomori

Embora o governo japonês entenda o hikikomori como isolamento social a partir de seis meses de reclusão, 46,7% das pessoas com a síndrome social estão reclusas a mais de sete anos.

Os que estão reclusos entre três e cinco anos dentro de suas casas chegam a 21,3%. Ou seja, pelo menos 68% dos diagnosticados são de longa data.

Hikikomori

Mas nem todos os portadores da síndrome sentem que precisam de ajuda. De acordo com a pesquisa, 47% desejam ajuda profissional, mas apenas 44% de fato buscaram.

Hikikomori

Ainda de acordo com o ministro da saúde, trabalho e bem estar do Japão, Takumi Nemoto, o hikikomori é uma nova questão social e deve se tratada adequadamente com base em estudos e análises.

Ainda que o número de portadores da síndrome seja maior que um milhão, ainda é cedo para determinar quantos casos realmente existem no país dado a dificuldade em identificar e entrevistar essas pessoas.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via