Gokon: a cultura dos encontros às cegas em grupos

Gokon é o encontro às cegas em grupos de no mínimo seis pessoas. Três homens e três mulheres. No Japão esse tipo de confraternização é comum e pode envolver grupos grandes também.

Atualmente, cerca de 20% população japonesa não está em um relacionamento. Estima-se que até 2035 o número de pessoas solteiras chegue a 50% da população.

Gokon

Encontro às cegas

A cultura de trabalho e estudos no Japão é puxada, por isso, muitos japoneses não encontram tempo disponível para conhecer gente nova e potencialmente um par amoroso.

Apesar do Tinder e outros aplicativos de namoro existirem, o gokon ainda é uma das melhores formas de conhecer alguém sem ter a pressão de um encontro a dois.

Brinde com bebida alcoólica

Geralmente ocorre em izakayas e restaurantes. O encontro é regado com comida e bebida alcoólica.

Kanji

Um homem ou mulher deve agir como intermediário (kanji). O kanji fica responsável por reunir colegas de trabalho, da faculdade ou de algum de seus círculos sociais que não se conheçam.

No encontro, as pessoas se apresentam e confraternizam fazendo brincadeiras e jogos. De um lado da mesa ficam os homens. Do outro, mulheres.

Namoro ou amizade

Ao final quem se interessou troca contato para depois marcar um encontro a sós ou continuar uma amizade.

Muitos japoneses preferem fazer o gokon a se arriscar em um encontro a dois, afinal, em grupo fica muito mais fácil conversar.

Os riscos do Gokon

Embora a cultura do gokon seja normal para a sociedade japonesa, existem uma série de riscos nesses encontros às escuras. Afinal, quando bebidas alcoólicas estão envolvidas muita coisa pode dar errado.

Mesmo que os japoneses sejam normalmente polidos e educados, as denúncias de assédio existem.

Leia também

Saiba quais são as profissões mais difíceis de conseguir um encontro no Japão 

4 Aplicativos de relacionamento altamente populares no Japão 

Aprenda as etiquetas para um encontro no Japão

A revista SPA! realizou uma pesquisa em 2014 e o Japan Today repercutiu. 300 mulheres entre 22 a 24 anos contaram suas experiências negativas com o gokon.

Uma mulher lembrou quando viu um homem fingindo cuidar de uma garota alcoolizada, quando na verdade, estava tocando seus seios.

Outra entrevistada afirmou que colocaram algo em sua bebida. Outras duas garotas acabaram entrando em coma alcoólico após serem intimadas a beber mais do que suportariam.

Portanto, o gokon é uma boa forma de conhecer gente nova e tem seu lado positivo, mas tem seus riscos também.

Compartilhe! Clique aqui e receba nosso conteúdo exclusivo pelo Facebook Messenger.

Comentários

Share via